03/09/2009

Silêncio... Palavras...


Calei minhas palavras de poesia
Será que o tempo se fechou
Ou simplesmente percebi que ser poeta
È está impregnada de paixão
No interior da candida lua de verão
Ou na superfície das águas de primavera

Sei não
e então...
o que importa descobrir
A inercia que se faz
neste mundo soterrado
das lamurías de homens
sem deuses

Um comentário:

daniela disse...

Invejável escrita coesa e coerente... Prof. aprecio e admiro sua forma de expressar e descrever o amor e a paixão,pois são sentimentos que necessitam ser revistos e sentidos,uma vez que vivenciamos em um mundo ultra capitalista.